Monthly Archives: fevereiro 2010

You are browsing the site archives by month.

ORACLE – INSTALAÇÃO EM LINUX FEDORA

INSTALAÇÃO DO ORACLE 10g NO LINUX FEDORA 6
Ambiente : Unix Linux Oracle 10g

A implantação do Oracle no Unix/Linux não se difere em muito do ambiente Windows, porém são necessárias algumas configurações antes de se chamar o pacote de instalação.
As primeiras configurações devem ser executadas com o usuário root ou com permissão similar.

Configurando arquivo hosts
No diretório  /etc/hosts o arquivo de hosts precisar ser configurado como abaixo

 Para editar os arquivos em um ambiente não gráfico sugiro o ‘vi’.
No caso o ip configurado é o local ‘loopback’ 127.0.0.1 . Poderia também ser configurado o IP para acesso externo como 192.168.0.1 por exemplo.

Configurar o Kernel
Edite o arquivo em /etc/sysctl.conf

 
kernel.shmall = 2097152
kernel.shmmax = 2147483648
kernel.shmmni = 4096
# semaphores: semmsl, semmns, semopm, semmni
kernel.sem = 250 32000 100 128
fs.file-max = 65536
net.ipv4.ip_local_port_range = 1024 65000
net.core.rmem_default=262144
net.core.rmem_max=262144
net.core.wmem_default=262144
net.core.wmem_max=262144

Após configurar o Kernel execute o comando /sbin/sysctl -p para atualizar a sessão atual.

Edite o arquivo que está emm  /etc/pam.d/login adidionando o valor abaixo, caso não exista:
session required pam_limits.so como mostrado ao lado .

 

No mesmo diretório etc será necessário acessar /etc/selinux e editar o arquivo config. Mais uma vez sugiro a utilização do ‘vi’ para este processo.

Deixar a opção SELINUX=disabled
Estamos aqui baixando a segurança do linux, porém como estamos trabalhando com um laboratório não teremos problemas. Em uma rede corporativa isso deverá ser feito pela área de segurança liberando as portas necessárias para a comunicação do banco com o sistema.

Instalando pacotes necessários

Alguns pacotes linux são necessários para a instalação do Oracle sendo alguns referentes a bibliotecas de comunicação. Abaixo segue a lista que deve ser instalada, neste caso, utilizei o rpm para descompactar e instalar. Em alguns casos podemos utilizar o yum

 Em meu caso, a unidade de dvd foi montada em /media/dvd/

cd /media/dvd/Fedora/RPMS
 
rpm -Uvh setarch-*
rpm -Uvh –force tcl-*
rpm -Uvh –force libXau-devel-* libXp-*
rpm -Uvh compat-db-*
rpm -Uvh compat-libstdc++-33*
rpm -Uvh compat-libf2c-34-*
rpm -Uvh compat-gcc-34-*
rpm -Uvh libaio-*
rpm -Uvh compat-gcc-34-c++-*
rpm -Uvh compat-libstdc++-296*
rpm -Uvh compat-libgcc-296*
rpm -Uvh openmotif21-2.1.30-14.i386.rpm

A criação de grupos de acesso e usuários pertencentes a estes grupos se faz necsssário porque até aqui utilizamos o usuário root e já para a efetiva instalação do Oracle este não poderá ser utilizado como pré-requisito de segurança. O que fizemos até agora foi o papel do administrador do sistema operacional executando pré-requsitos necessários para a instalação.
 
Criando grupos e usuários

groupadd oinstall
groupadd dba
groupadd oper

Criando usuário e relacionado ao grupo oinstall

useradd -g oinstall -G dba oracle
passwd oracle

Vamos agora criar o ponto de montagem, diretório no Windows, onde o software do Oracle será instalado

mkdir -p /u01/app/oracle/product/10.2.0/db_1

Definindo o grupo oinstall como ‘owner’ do diretório

chown -R oracle.oinstall /u01

Este passo tem grande importância.
O Oracle ainda não está homologado para o Fedora, apesar deste ser herança free do red hat.
Muitos dizem que não é um sistema operacional que seja comparado ao Enterprise Linux ou mesmo Red Hat, mas em meu treinamento na Oracle utilizamos um ambiente fedora exatamente como este em que o arquivo redhat-release fora criado.

Quando o Oracle inicia sua instalação ele verifica se existe este arquivo para validar a compatibilidade como sistema operacional.

Edit, ou crie,  o arquivo  /etc/redhat-release alterando a informação para:

redhat-4  
 
Acesse o sistema operacional com o usuario oracle criado e adicionado ao grupo oinstall também criado anteriormente.
 
O arquivo para a instalação do oracle em linux pode ser baixado no site da oracle  onde existem também outras versões onde já verifiquei que a 11 segue o mesmo processo, porém aqui utilizamos a versão 10g.

 
 
Descompactei os arquivos em /instalacao/database e nele basta chamar o arquivo ./runInstaller lembrando que o ambiente unix é case sensitive.
 

 A partir dai a instação segue o mesmo padrão do Windows, exceto pelo final da instalação.
 
 
 
 
 
 
 
 

Aqui o Oracle faz a verificação de todos os pré-requisitos que configuramos anteriormente.
 
 Poderá no máximo lhe aparecer um alerta de espaço lhe perguntando ser deseja continuar assim mesmo, clique em sim. Caso uma advertencia não lhe permita continuar a instalaçaõ reveja se atentou para todos os detalhes dos passos anteriores.

 
 
 
 
 
 
 

Aqui são mostratos todos os detalhes básicos para a instalação do software.
 
 Optamos por não criar um banco de dados após a instalação.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
Aqui já estamos instalando o Oracle no diretório indicado para o software, posteriormente poderemos criar o banco de dados com o utilitário DBCA (./dbca).
 
Até aqui não tivemos nenhuma novidade, após início da instalação do Oracle com ./runInstaller, em relação a instalação no ambiente Windows.
 
 
 
 
 
 
Eis a novidade. Aqui,para finalizar a instalação,um ou  dois scripts são diponibilizados para serem rodados com usuário root. Para tanto abra um terminal de comandos, digite su , senha, e simplesmente digite ou cole o todo o caminho mostrado na tela
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Feito isso a instalação estará pronta.
 Experimente e utilize o ./dbca para criar sua base de dados. 
Configure a variável de ambiente export ORACLE_HOME=//u01/app/oracle/product/10.2.0/db_1.
Depois acesso do diretório cd $ORACLE_HOME/bin e execute ./dbca